O mercado de transporte aéreo está agitado, enquanto aguarda o desfecho da venda da Avianca Brasil e as consequências para o mercado de aviação comercial. No entanto, há empreendedores dispostos a se aventurar nesse mercado e construir uma companhia nova, buscando nichos ainda pouco desenvolvidos.

É o caso de Gerald Lee, co-fundador da Azul e ex-vice presidente de desenvolvimento de negócios da JetBlue. Depois de passar anos na direção de grandes companhias aéreas de passageiros, ele aposta na expansão da Modern Logistics, empresa de logística com foco em transporte aéreo de cargas.

A companhia busca captar investimentos de 200 milhões de dólares para ampliar suas operações. Para isso, contratou o banco de investimento Evercore, que buscará novos investidores estrangeiros. A empresa busca um novo aporte para a compra de aeronaves e construção de novos centros de distribuição. Ela tem hoje cinco aviões.  Como comparação, a Gol tem 122 aviões em operação, a Azul, 125, e o grupo Latam, 312. 

A maior investidora da Modern é a DXA Investiments, que já realizou aportes que somam 50 milhões de dólares. A companhia recebeu o primeiro investimento em 2014 e, até agora, já levantou 100 milhões de dólares.

O mercado de logística no Brasil hoje tem custo de 811,8 bilhões de reais. No entanto, apenas 0,4% dos produtos são transportados por via aérea. Cerca de 61% são enviados por rodovias, 20,7% por ferrovias e 13,6% pelo meio aquaviário. O meio dutoviário, ou seja, por tubulações, responde por 4,2% do total, segundo dados da Confederação Nacional dos Transportes.

Ainda que o mercado de transporte aéreo seja pequeno, para Lee, “voar a mercadoria não é um luxo” e pode ser acessível para mais empresas com o desenvolvimento da malha logística.

Isso porque os aviões são uma maneira muito mais rápida de levar o produto ao seu destino. O tempo médio por avião é de apenas algumas horas, enquanto o transporte por caminhão entre São Paulo e Recife, por exemplo, pode levar de 3 a 5 dias e a viagem entre São Paulo e Manaus pode demorar mais de 30 dias.

Lee aposta que o ganho no tempo pode significar ganho em eficiência e que isso pode chamar a atenção dos clientes. A Modern tem cerca de 50 clientes, como empresas farmacêuticas, fabricantes de insumos agrícolas, companhias de eletrônicos, indústrias de beleza e montadoras de carros e motos.

Transporta também cargas especiais, como animais vivos, equipamentos eletrônicos de alto valor, cristais ou louças frágeis e explosivos. Esse tipo de produto exige cuidados, o que dificulta o transporte em aviões de passageiros. Um dos clientes é a Harley Davidson, para o transporte de produtos de sua fábrica em Manaus para 21 concessionárias em todo o país.

Veja também:  Trump golpeia a Huawei e abre nova leva de tensões com a China

A companhia surgiu com cinco aviões, quatro Boeing 737 e um Gran Caravan Cessna, adaptados para cargas. Para o segundo semestre deve receber mais dois Cessna e um Boeing 737 e o plano para 2022 é de chegar a 20 aeronaves. Oferece ainda transporte rodoviário, com 14 mil veículos de parceiros terceirizados.

Além do transporte, a Modern passou a oferecer gestão do estoque para seus clientes. Tem cinco centros de distribuição localizados próximos a aeroportos e deverá abrir mais dois no segundo semestre.

Veja também

  • NEGÓCIOSAzul faz nova oferta por UPI da Avianca Brasil13 maio 2019 – 11h05
  • NEGÓCIOSCofundador da Ryanair planeja terceira aérea na América Latina14 maio 2019 – 06h05

Concorrência

A Modern não está sozinha no mercado. Diversas companhias aéreas de passageiros também realizam transporte de carga. A Azul, empresa co-fundada por Lee, chegou a negociar uma joint venture de logística com os Correios, mas que acabou não se realizando.

A Azul tem apresentou receitas de 483 milhões de reais em transporte de carga e outras atividades, ou 5,2% do total de receitas, em 2018. Já a Gol reportou faturamento de 422 milhões de reais em carga e outras receitas, como vendas a bordo e programa de fidelidade.

Para o presidente, o diferencial da companhia é se focar apenas na logística. “Outras companhias aéreas transportam carga na barriga do avião de passageiros, mas apenas quando há espaço e disponibilidade”, afirma.

Além disso, afirma que os aviões de passageiros não são adequados para transportar cargas especiais, como animais ou produtos perigosos, normalmente transportados em caminhões com maior tempo de entrega.

A companhia não informa o faturamento. Por enquanto, o objetivo é criar a melhor malha logística para os clientes, mesmo que isso signifique que o avião ou caminhão circule com espaço vazio. Com mais clientes, as rotas serão mais usadas e, assim, mais eficientes.

Os sonhos da Modern voam alto, assim como a busca para financiá-los.

A Concursos Empregos agradece a sua visita!

Veja também:  Odebrecht paga indenização de US$ 19,5 milhões ao Peru por subornos

Fonte: Exame Abril

Avaliar este post